Cidadão

Comitê de Aleitamento Materno promove reunião nesta quarta-feira

Integrantes do CALMA vão participar de um momento científico que traz um estudo sobre o tempo de aleitamento materno exclusivo e orientação profissional

O Comitê Municipal de Aleitamento Materno (CALMA) vai promover uma reunião nesta quarta-feira (11), às 14 horas, no Centro Pastoral, localizado na Rua Dom Bosco, 145, Jardim Dom Bosco. Na ocasião, os integrantes do Comitê vão participar do momento científico “Tempo de Aleitamento materno exclusivo e orientação profissional: um estudo de corte”, ministrado pela enfermeira pediátrica Débora Bauer.

Segundo Débora, o estudo é resultado de sua dissertação de mestrado que acompanhou 300 mães e bebês nascidos em Londrina, da gestação até 1 ano após o parto, e aborda os fatores determinantes do tempo de aleitamento materno exclusivo e a influência da orientação profissional. Os dados foram coletados em 2015 e a pesquisa faz parte do estudo “Fatores de Risco para Morbimortalidade Materna e Infantil: da Gestação ao Primeiro Ano Pós-Parto”, da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

O estudo apontou que a prevalência de aleitamento materno exclusivo no sexto mês de vida foi de 22,3%, com duração média de 3 meses e meio. Além disso, a oferta de água e chá e alimentos antes dos seis meses de vida esteve associada ao tempo de aleitamento materno exclusivo, sendo considerado o consumo de água e chá como fator de risco para o desmame precoce.

A orientação profissional sobre amamentação foi relatada em 52,3% no pré-natal, 65,7% na sala de parto, 83% no alojamento conjunto, 32% no retorno puerperal e 38,6% na puericultura. Houve efeito protetor contra o desmame precoce à orientação profissional realizada na puericultura (Atenção Básica). “Estas informações evidenciam a importância do incentivo e orientação da amamentação, pois ficou constatado que a realidade está distante do que é recomendado. A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), orienta iniciar a amamentação nos primeiros 60 minutos de vida, assim como o aleitamento materno como forma exclusiva de alimentação até os seis meses de idade e, maneira complementar, até os dois anos”, informou.

A enfermeira e coordenadora do CALMA, Lilian Poli Castro, destacou que o processo do aleitamento não é somente biológico, mas social e cultural também. “Precisamos entender e conhecer a realidade da comunidade para promover a prática de acordo com necessidade da população”, disse. Durante o encontro, também será feita uma avaliação das ações realizadas no Agosto Dourado, mês dedicado à intensificação das ações de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno, e Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM). Cada instituição vai levar a sua avaliação e discutir onde foi possível avançar e quais as dificuldades encontradas.

Sobre o CALMA – Atualmente, integram o Comitê Municipal de Aleitamento Materno de Londrina 22 instituições de assistência, ensino e pesquisa na área da saúde, públicas, privadas e filantrópicas, como maternidades municipal, filantrópicas e particulares, representantes de Unidades Básicas de Saúde (UBSs), universidades e profissionais autônomos. Também participam grupos de apoio ao aleitamento, Pastoral da Criança, Clínica de Especialidades Infantis/Bebê Clínica da Universidade Estadual de Londrina, entre outros.

Para a imprensa: outras informações podem ser obtidas com a enfermeira e coordenadora do CALMA, Lilian Poli Castro, no 3372-9825/9827.

Etiquetas
Mostrar mais

Dayane Albuquerque

Gestora de Comunicação - Jornalista Prefeitura Municipal de Londrina

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Compartilhamentos